Sou morna

muito pessoal,

tanto,

que não deveria ser escrito,


mas quem escreve não tem noção do  perigo. 

quem se sente enlouquecer, não se preocupa em se preservar?

quem ama as letras e encontra nelas, e somente nelas, alguma paz… faz o que?

escreve.

Já escrevi tantas outras vezes que não tenho pretensões com o que escrevo. Não quero nada além de desabafar. 
Tenho tido este hábito apenas para compensar. 

Compensar tantas coisa.  


Hoje é um daqueles dias de confusão na minha mente tão naturalmente confusa. Eu tento, eu juro que eu tento não pensar insanidades, não ficar buscando uma lógica para as loucuras que penso, e sinto, e sinto tanto não conseguir entender, meu pensamento é limitadamente ilimitado, barulhento. Não tenho tempo, não tenho espaço, não tenho liberdade, não sou dona de mim mesma… sou dona deste pequeno momento, mas nem deste me aproprio devidamente, porque  perco para o que está por vir, presa entre o passado e o futuro.  E eu não me alcanço. Eu estou do outro lado desta que sou aqui fora. Lá dentro de onde nem sei, eu sei que existe alguém. 

Eu sou uma extra terrestre. Mas moro aqui neste planeta descabido habitado por desumanos. 

Talvez eu seja humana até demais. Por isso. 

Minha cabeça lateja suaves pontadas de uma dor distante. Minha pele arde. É o frio. Eu não sei se amo o frio. Mas tenho certeza de que odeio o calor. Odeio o calor. Odeio. é tão feio, né? dizer que se odeia alguma coisa. ódio. Quase nunca falo dele. não é legal escrever sobre este lado obscuro que todo ser, no entanto, guarda, ou esconde. Não sei se sou capaz de  odiar muito. Muito é exagerado. Mas não gosto do calor. Ele me faz mal. Por que eu sinto isso? Porque as vezes me sinto fria. É louco dizer isso, porque eu não poderia sentir isso. Me sinto tão viva. Mas digo fria de uma forma diferente do que esperado.  Distante. Uma tempestade. Uma ventânia. As vezes não consigo traduzir minhas metáforas. Elas desenham o que eu realmente sinto, e fica assim.  Sinto  que sou, modestamente,  uma manhã de sol. Sol de outono. Bem morninho. 

Falam tão mal das coisas em estado morno. Eu gosto.

O que esta morno está calmo, confortável e agradavel e eu me encontro assim em minha presença. 

Em alguma parte da biblia Deus repudia os mornos. 

O que será de mim? 

Tenho o temperamento morno. 
Sou outono e primavera. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: